BRIC – O QUARTETO FANTÁSTICO EXIGE MAIS PODER NAS INSTITUIÇÕES INTERNACIONAIS

[youtube]pbt5K_rEtHM[/youtube]

Na última semana um dos temas mais comentados pela mídia internacional foi a primeira Cúpula do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) e, para quem está perdido no debate, faremos uma breve contextualização, desvendando algumas questões chaves relacionadas à emergência do BRIC no Sistema Internacional. Não há pretensão de esgotar o assunto, mas apenas realizar algumas reflexões.

Em outubro de 2003, o Banco Goldman Sachs (um dos maiores bancos de investimento do mundo, fundado em 1869), publicou um documento titulado “Sonhando com o BRIC: O Caminho para 2050”. Neste documento projetou-se a evolução das quatro maiores economias emergentes, chegando-se a conclusão de que acumularia 50% do PIB mundial (Produto Interno Bruto, soma de todas as riquezas geradas por um país ao longo de um ano) e sua força econômica ultrapassaria a economia combinada das atuais potências.

Após o lançamento do estudo sobre as economias emergentes, o BRIC aumentou sua relevância no Cenário Internacional, sendo foco cada vez mais intenso de análises sobre a transformação da Ordem Mundial com o fulminante surgimento desse grupo e o possível estabelecimento de um novo sistema de tomada de decisão para as questões mundiais.

 

[youtube]pbt5K_rEtHM[/youtube]

 

 

Na última semana um dos temas mais comentados pela mídia internacional foi a primeira Cúpula do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) e, para quem está perdido no debate, faremos uma breve contextualização, desvendando algumas questões chaves relacionadas à emergência do BRIC no Sistema Internacional. Não há pretensão de esgotar o assunto, mas apenas realizar algumas reflexões.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em outubro de 2003, o Banco Goldman Sachs (um dos maiores bancos de investimento do mundo, fundado em 1869), publicou um documento titulado “Sonhando com o BRIC: O Caminho para 2050”. Neste documento projetou-se a evolução das quatro maiores economias emergentes, chegando-se a conclusão de que acumularia 50% do PIB mundial (Produto Interno Bruto, soma de todas as riquezas geradas por um país ao longo de um ano) e sua força econômica ultrapassaria a economia combinada das atuais potências.

Após o lançamento do estudo sobre as economias emergentes, o BRIC aumentou sua relevância no Cenário Internacional, sendo foco cada vez mais intenso de análises sobre a transformação da Ordem Mundial com o fulminante surgimento desse grupo e o possível estabelecimento de um novo sistema de tomada de decisão para as questões mundiais. Continuar a lerBRIC – O QUARTETO FANTÁSTICO EXIGE MAIS PODER NAS INSTITUIÇÕES INTERNACIONAIS