Todos os artigos de CEIRI

Links Selecionados – Cenário Venezuelano

POLÍTICA INTERNACIONAL (VENEZUELA – EL NACIONAL)

Ceballos, Baduel y Oliveros ahora están privados de la voz y la acción política

http://www.el-nacional.com/politica/Ceballos-Baduel-Oliveros-privados-politica_0_683931726.html

Desde los calabozos donde permanecieron hasta esta semana, Raúl Baduel, Daniel Ceballos y Deivis Oliveros no desperdiciaron oportunidades para persistir en su oposición al gobierno: varias cartas, manifiestos y hasta videos pudieron hacer llegar a la opinión pública. Ahora, cuando las elecciones parlamentarias plantean la posibilidad de un cambio político, los tres no podrían catalizar el descontento con el régimen, pues los jueces les prohibieron tajantemente comunicarse con la prensa o intervenir directamente en la diatriba política…

POLÍTICA INTERNACIONAL (VENEZUELA – EL NACIONAL)

Capriles: El gobierno sigue con la regaladera de los reales

http://www.el-nacional.com/politica/Capriles-gobierno-sigue-regaladera-reales_0_684531568.html

Henrique Capriles, gobernador del estado Miranda, aseguró que en el peor momento de la historia de Venezuela, el gobierno de Nicolás Maduro es “oscuridad en la casa y claridad en la calle”. “Este gobierno sigue con la regaladera de los reales de todos los venezolanos…

POLÍTICA INTERNACIONAL (VENEZUELA – EL NACIONAL)

María Corina Machado indicó que el gobierno tiene vínculos con el narcotráfico

http://www.el-nacional.com/GDA/Maria-Corina-Machado-vinculos-narcotrafico_0_684531552.html

Venezuela enfrenta la más difícil encrucijada histórica desde que es República. Los próximos días serán decisivos para avanzar en la transición hacia la democracia en paz, y con un inmenso esfuerzo comencemos a reconstruir el país,  superando la profundización del colapso institucional y económico que actualmente conlleva una crisis humanitaria de terribles consecuencias para todos los  venezolanos, e incluso para los países vecinos…

POLÍTICA INTERNACIONAL (RELAÇÕES VENEZUELA – CUBA)

Maduro ha viajado 11 veces a Cuba

http://www.el-nacional.com/politica/Maduro-viajado-veces-Cuba_0_683931687.html

El viaje del presidente Nicolás Maduro a Cuba es el undécimo que hace desde que asumió su mandado en 2013, según un registro de El Nacional. En esta ocasión fue para celebrar el cumpleaños de Fidel Castro y reunirse con su homólogo Raúl Castro para discutir la agenda regional e internacional…

POLÍTICA INTERNACIONAL (MERCOSUL – DEFESA REGIONAL / PERSPECTIVA OFICIAL DA VENEZUELA)

Venezuela presentará ante el Parlasur acuerdo en defensa del Esequibo

http://www.ciudadccs.info/2015/08/16/venezuela-presentara-ante-el-parlasur-acuerdo-en-defensa-del-esequibo/

La delegación de diputados venezolanos que asistirán a la XXXIII Sesión ordinaria y Sesión especial del Parlamento del Mercosur (Parlasur), que se estará efectuando en la ciudad de Montevideo, Uruguay a partir de este domingo 16 hasta el martes 18 de agosto, presentará un acuerdo ante la Plenaria de este órgano deliberante en respaldó a la defensa que está realizando el Gobierno bolivariano sobre el territorio Esequibo…

Links Selecionados – Eleições na Argentina

POLÍTICA INTERNACIONAL (ELEIÇÕES NA ARGENTINA – CLARIN)

Para Felipe Solá, si Massa baja su candidatura y Macri la de Vidal, fovorecerían a Scioli

http://www.clarin.com/politica/Elecciones_2015-Felipe_Sola-Frente_Renovador-una-Sergio_Massa-acuerdo_electoral-narcotrafico-droga-Anibal_Fernandez-Provincia_de_Buenos_Aires_0_1413458921.html

Felipe Solá, candidato a gobernador de la provincia de Buenos Aires por Unidos por una Nueva Argentina, descartó que haya existido la posibilidad de un acuerdo entre Sergio Massa y Mauricio Macri, para enfrentar las presidenciales del octubre…

POLÍTICA INTERNACIONAL (ELEIÇÕES NA ARGENTINA – LA NACIÓN)

La Presidenta se recluyó en Olivos enojada con Scioli

http://www.lanacion.com.ar/1819736-la-presidenta-se-recluyo-en-olivos-enojada-con-scioli

La presidenta Cristina Kirchner se recluyó en Olivos durante toda la semana, en un gesto con el que buscó transmitir malestar e incomodidad con el candidato presidencial del Frente para la Victoria (FPV), Daniel Scioli. A pesar de ello, en la Casa Rosada aseguran que la relación no entrará en crisis porque ambos necesitan ganar las elecciones del 25 de octubre próximo…

POLÍTICA INTERNACIONAL (ELEIÇÕES NA ARGENTINA – DIARIO POPULAR)

Scioli: “Macri ha revelado su claro proyecto neoliberal”

http://www.diariopopular.com.ar/notas/234447-scioli-macri-ha-revelado-su-claro-proyecto-neoliberal

El candidato presidencial del Frente para la Victoria, Daniel Scioli, aseguró que su contrincante de Cambiemos, Mauricio Macri, “ha revelado su proyecto claramente neoliberal y su deseo de llevar a cabo políticas de ajuste”, a la vez que afirmó que el triunfo en las PASO es “una gran responsabilidad” que toma “con mucha humildad”…

POLÍTICA INTERNACIONAL (ELEIÇÕES NA ARGENTINA – DIARIO POPULAR)

El oficialismo está cerca de los dos tercios en el Senado

http://www.diariopopular.com.ar/notas/234460-el-oficialismo-esta-cerca-los-dos-tercios-el-senado

Si los resultados de las elecciones primarias se repiten en octubre, el oficialismo no sólo aumentaría su presencia en el Senado, sino que se acercaría mucho a los dos tercios y no se descartan además posibles acercamientos de peronistas opositores en la etapa poskirchnerista. Ocho provincias elegirán senadores en los comicios generales: Catamarca, Córdoba, Corrientes, Chubut, La Pampa, Mendoza, Santa Fe y Tucumán renovarán tres bancas cada una y hasta el momento el saldo es muy favorable para el oficialismo…

POLÍTICA INTERNACIONAL (ELEIÇÕES NA ARGENTINA – PAGINA 12)

El PRO vuelve a negar un acuerdo con Massa

http://www.pagina12.com.ar/diario/ultimas/20-279499-2015-08-16.html

En tanto, consideró que los más de 8 puntos que separaron al frente que postuló a tres candidatos (Mauricio Macri, Elisa Carrió y Ernesto Sanz) del kirchnerismo (que postuló solo a Daniel Scioli) “por supuesto” que son descontables y advirtió que “ésta es una elección de tres vueltas”, en alusión a un eventual balotage…

III Curso sobre Análise de Conjuntura em Política Internacional

FOLDER CURSO POL INTERNACIONAL

FOLDER CURSO POL INTERNACIONAL2A atual conjuntura global apresenta configuração que exige do homem contemporâneo conhecimentos sobre os elementos que compõem a natureza das relações internacionais e da política internacional, seja para posicionarem-se diante da realidade, seja para tratarem da formulação de estratégias em empresas, instituições públicas e instituições privadas que necessitam se relacionar com atores deste mundo do século XXI.

De posse desses instrumentos, poderão responder de maneira articulada, rápida e eficiente às questões advindas de um mundo globalizado, utilizando-se da metodologia de análise de conjuntura, bem como de outras, específicas da disciplina “Relações Internacionais”.

Objetivos do Curso:

Objetiva-se realizar a análise de conjuntura em Política Internacional, utilizando-se de alguns instrumentais teóricos das Relações Internacionais e da Teoria Política;

Apresentar metodologias e técnicas de análise de conjuntura que podem ser usadas por profissionais que necessitam desses conhecimentos para aprimoramento profissional;

Apresentar informações sobre as estratégias e políticas externas dos atores estatais;

Apresentar aulas expositivas sobre questões teóricas, exercitar a construção de cenários, discutir textos e material coletado semanalmente, compor análises com grupos de estudos constituídos pelos participantes do curso.

Público-Alvo:

Profissionais (juristas, professores, políticos, sociólogos, engenheiros, médicos, enfermeiros, cientistas políticos etc.) que atuam em ONGs, Organismos Internacionais, Fóruns Internacionais, Instituições Públicas, Instituições de Relações Exteriores e Comércio Exterior.

Profissionais que necessitam compreender a ciência Relações Internacionais, dominar os seus conceitos chaves e entender as explicações da ordem mundial para trabalharem na área, ou em aéreas correlatas.

Profissionais que necessitam conhecer metodologias das Relações Internacionais para auxiliar e/ou definir suas estratégias de negociação e negociação internacional.

PROGRAMAÇÃO: http://bit.ly/14burUK

PROFESSORES: Dr. Marcelo Suano e Prof. Thiago Babo

DATAS: 10, 12, 14, 17 e 19 de junho

HORÁRIO: 19h20 às 22h50

INVESTIMENTO

INSCRIÇÃO: R$ 50,00

CURSO: R$500,00 (Pagamento em até 12X por cartão de Crédito via PagSeguro. Até 3X por Boleto)

INSCRIÇÕES NO LINK: http://goo.gl/RvPKt

CERTIFICADO EMITIDO EM ATÉ 24HRS APÓS O TÉRMINO DO CURSO.

ENVIE SUAS DÚVIDAS PARA: secexecutiva@ceiri.com.br

Comunicado do Resultado do Edital dos Novos Colaboradores Voluntários do BLOGCEIRI

O Conselho Editorial do BLOGCEIRI tem a satisfação de apresentar a lista dos colaboradores voluntários que estarão conosco nos próximos seis meses.

Estes são os acolhidos após o conjunto de análises e entrevistas feitas com aqueles que preencheram as exigências estipuladas, dentre os que voluntariamente se inscreveram no Edital lançado para participar do BLOG com o objetivo de esclarecer a sociedade por meio de reflexões e observações postadas neste espaço.

Comunicamos que foi com prazer que tomamos contato com os vários candidatos, os quais se apresentaram de forma elegante e entenderam nossa impossibilidade gerencial de, neste momento, estar com a totalidade dos pretendentes atuais, já que pautamos nossa conduta  pelo diálogo constante com os voluntários que escrevem no BLOG.

Esta é uma forma de respeitá-los e manter suas perspectivas, já que realizamos revisão geral dos Artigos com o intuito de fazer pequenas correções para preservar a boa imagem do colaborador voluntário, tanto quanto a boa imagem do BLOGCEIRI.

Ressaltamos que nosso objetivo foi cobrir o maior espectro possível com os novos colaboradores voluntários, dentro de nossa capacidade administrativa, razão pela qual, no momento, nos vimos obrigados a aceitar para os próximos seis meses apenas este pequeno número de participantes aqui anunciados, antecipando que outros editais serão disponibilizados para oferecer o canal a novos candidatos, dentro do número que julgarmos gerencialmente possível no futuro.

Agradecemos a gentileza e compreensão de todos, acreditando que aqueles que neste momento não estiverem disponibilizando suas reflexões neste blog, certamente estarão futuramente, quando nossa capacidade de coordenação estiver adequada.

Lista dos Colaboradores Voluntários para os próximos seis meses: http://bit.ly/10cs3N8


Cordialmente,

 

Conselho Editorial do BLOGCEIRI

 

A escolha de Netanyahu

Escrito Por Ricardo Varnier

Nas eleições legislativas israelenses de  22 Janeiro de 2013, o partido Likud obteve a maioria dos votos mas não foi o vencedor. Vários observadores apontam que, em realidade, ele teve uma perda, pois diminuiu o número de cadeiras no Parlamento israelense (o Knesset), causado em especial graças ao significativo comparecimento de eleitores jovens e das grandes cidades litorâneas (Haifa e “Tel Aviv”), que são menos religiosas e em geral votam nos partidos de centro ou mais à esquerda. Apontam ainda a importante participação dos cidadãos origem árabe, que, extra-oficialmente, foram convocados pelos países árabes para ajudar os seus representantes.

Esse grande comparecimento de eleitores laicos e árabes (aproximadamente o dobro do ocorrido na eleição anterior) representou a perda de 20% das cadeiras para o Likud e mais um percentual similar, senão maior, para os partidos ultra-religiosos.

Beniamin (Bibi) Netanyahu foi militar, como a maioria dos ex-primeiros-ministros do país. Apresenta-se como nacionalista, expansionista, sionista e não religioso, postura típica dos seguidores de Jabotinsky [1]. Ele foi herói de guerra, comandando uma unidade de elite, similar aquela em que serviu seu irmão Jonatan, o comandante da “Operação Trovão” (Thunderbolt) que libertou os judeus sequestrados em Entebe (04/07/1976). Complementando seu perfil, os analistas também o avaliam como um home pragmático.

Enquanto não acabar o atual mandato, ele ainda tem como base de apoio os partidos religiosos. Com o resultado obtido no dia 22 de janeiro, ele ainda poderá ter a maioria com esses partidos, mas isso se dará por apenas um voto, trazendo muita insegurança, principalmente pelo fato de esses partidos não terem a fidelidade como premissa de conduta em relação ao Governo, sobrando então o líder centrista Yair Lapid, do partido “Yesh Atid” (“Há Futuro”, em português), que com seus votos garantiria uma folgada maioria, tal qual Netanyahu vem tendo nesta atual legislatura.

Entretanto contar com Lapid significa afrontar alguns dogmas que os partidos religiosos não gostariam de abrir mão para compor com esta liderança em apoio a atual Primeiro-Ministro: (1) serviço militar para todos (religiosos que se dedicam exclusivamente ao estudo das Escrituras, estão isentos); (2)escola pública igualitária (com religiosos e laicos, a exceção ficaria para as escolas religiosas particulares que têm suas regras e adotam segregações); (3)direitos às minorias (gays, árabes, judeus etíopes etc.) e (4) acabar com a implantação de novos assentamentos na área E-1 (grande Jerusalém, incluindo Maale Adunim, nos territórios palestinos). Deve-se destacar ainda um aspecto que afeta diretamente essa última questão: Lapid também demanda a pasta da Habitação, a responsável pelas expansões nas áreas palestinas.

A alternativa de Netanyahu é conciliar Lapid (que sozinho com seus aliados não dá a maioria ao Primeiro-Ministro) e os religiosos (que são instáveis em relação ao apoio que podem dar).

Lapid afirmou que deseja a manutenção de Netanyahu no posto, participando ou não da coligação, porém, dependendo de como for realizada essa negociação, ela determinará a participação laica/centro-esquerdista próximas eleições, pois estes tem graves contraposições aos ortodoxos.

Fica a questão de se Netanyahu conseguirá governar sem a sua participação, já que a ex-Kadima (“Para Frente”, em português) e agora Hatnuah (“O Movimento”) negou qualquer chance de coalizão, por intermédio do líder Tzipi Livni. Fica no cenário futuro, a expectativa diante da habilidade de Netanyahu para vencer os lances desta negociação que, se falhar, certamente impedirá o desenvolvimento de capacidade administrar o país.

——————————-

[1] Vladimir Evgenevich (Zeev, “Lobo”, em português) Jabotinsky (Odessa, Ucrânia, 18/10/1880 – Nova Iorque, EUA, 03/09/1940) é um filósofo judeu ucraniano, revisor do sionismo. Ele pretendia refundar o movimento sionista sob novas bases, requerendo as terras de ambas as margens do rio Jordão com a colaboração dos ingleses. Foi o fundador da “Organização de Autodefesa Judaica” (1920) em Odessa (URSS), durante a “Segunda Guerra Mundial” e após, na denominada “Palestina Britânica”, usou a mesma tática para defender a população judia dessa região. Também foi o fundador do movimento juvenil de direita BETAR (1923), com o intuito de difundir suas ideias.

Enhanced by Zemanta

População religiosa ultra-ortodoxa altera o panorama israelense

Escrito Por Ricardo Varnier

Israel vive os 60 anos de sua fundação. Do período pré-independência até o início dos anos 70, seus cidadãos eram na sua maioria judeus cosmopolitas vindos da Europa,  muitos fugindo de guerras e perseguições, bem como das consequências dessas situações.

Praticamente todos eram sionistas e grande parte deles se dirigiu aos kibbutzim (pl. kibutz), no movimento que industrializou e fez crescer o país em pouco tempo. A maioria era de não religiosos, mas aqueles religiosos que participaram da migração e se dirigiram para Israel também eram sionistas e colaboraram para o país crescer sem perturbar os fundamentos e alterar as características de um Estado moderno, principalmente no aspecto de preservar a separação entre religião e Estado.

No final dos anos 70, após o país estar estabilizado, ter gerado uma condição em que a sua destruição se tornara uma tarefa inviável aos seus inimigos e ter praticamente resolvido o problema da criação das necessárias condições econômicas e urbanas, iniciou-se a imigração massiva de religiosos ultra-ortodoxos[1].

Muitos deles saíram daqueles países da antiga “União Soviética”, dos Estados membros do extinto “Pacto de Varsóvia” e dos “Estados Unidos”, além de uma menor quantidade que emigrou de pólos importantes de judeus que eram remanescentes do “Pós – II Guerra”, tais como os pólos que existiam na França, na Inglaterra, na Austrália e a na Argentina.

Daqueles que provieram da antiga “Cortina de Ferro” e da Argentina, independente da posição religiosa que tinham, somente os ultra-ortodoxos foram fieis à Alyiah[2], estabelecendo-se em Israel com objetivo de estabelecer residência definitiva e não por conveniência com o intuito de tornar o país uma ponte para a “Europa Ocidental” ou para os “Estados Unidos”, tal qual milhares de judeus fizeram[3].

Este grupo está se integrando rapidamente e participando ativamente da política, ao contrário dos demais – os religiosos modernos e os não religiosos (ou seculares) – que cada vez mais estão se afastando e deixando um vácuo de poder que os ultra-ortodoxos estão ocupando à medida que vem assumindo um papel relevante, mesmo que representem uma população muito menor que a proporcionalidade dos votos que produzem em cada eleição, observando-se que seu índice de participação (voto) é maior que o de eleitores seculares, apesar destes últimos (ainda) serem a maioria populacional em Israel.

A questão que os observadores lançam ao analisar este fenômeno é: Israel se tornará um Estado com modelo próximo ao do Irã, onde as leis são baseadas na religião e os candidatos aos cargos políticos precisam ser aprovados por um Conselho religioso, ou continuará a ser uma Democracia ao estilo ocidental, ou seja, secular, com respeito pelas minorias e pelas diferenças, já que, apesar de nas “Cartas Magnas” de países ocidentais poder estar escrito que suas fontes de inspiração se dão na religião dominante (normalmente as igrejas cristãs), este princípio não interfere na política, nem determina os direitos positivados pelo Estado?

É um problema que começa a ser analisado pelos especialistas devido a postura dos ultra-ortodoxos, que representa a possibilidade do estabelecimento de um modelo menos ocidentalizado de Estado e, conforme foi apontado, vem avançando politicamente em Israel.

———————–

[1] Imigração religiosa referindo-se a esse grupo sempre houve. Contudo, ela foi expressivamente menor se comparada aquelas ocorridas nos demais momentos com a realizada nessa época. Para entender a diferença, deve-se levar em conta a comparação entre o número de religiosos ultra-ortodoxos em relação a soma daqueles que não são religiosos com os que são religiosos ortodoxos modernos e com os demais religiosos sionistas.

[2] Do hebraico “ascensão”, termo usado para definir a emigração de um judeu por definição a Israel. Judeu por definição: aquele cuja mãe é judia ou converte-se conforme a ortodoxia demanda, ou seja, não basta sentir-se judeu, nem ser apenas filho de pai judeu.

[3] Um exemplo interessante é o caso da família húngara Weitz que, algum tempo após a Alyah, deixou Israel para morar em “Nova Iorque”. Mais tarde, um de seus filhos, Chaim, adotou o pseudônimo de “Gene Simmons” e se tornou baixista da banda de Rock mundialmente famosa conhecida como KISS.

Enhanced by Zemanta

EDITAL DE SELEÇÃO DE COLUNISTAS DO BLOG CEIRI

O BLOGCEIRI torna público o presente edital a candidatos GRADUANDOS interessados em executar atividades como colaboradores voluntários do BLOGCEIRI de acordo com os requisitos e condições fixadas neste EDITAL. A abrangência do edital é nacional e internacional. As inscrições estarão abertas até o dia 28 de fevereiro de 2013, devendo ser encaminhas ao seguinte endereço eletrônico equipeblog@ceiri.com.br juntamente com a documentação exigida. Para mais detalhes acesse: https://blogceiri.com.br/edital-de-selecao-de-colunistas-do-blog-ceiri/

O exército volta ao poder no Egito

Escrito Por Ricardo Varnier

Desde a queda do Rei Farouk[1] (em 1952), passando pela ascensão dos “Oficiais Livres de Gamal Abdel Nasser” (em 1954) e a assunção ao governo dos seus sucessores, terminado na recente queda de Hosni Mubarak (em 2011), o Exército egípcio se manteve no poder.

Evitando tratar neste momento das razões da eclosão da revolta popular, é possível afirmar que ela foi organizada tanto por muçulmanos tradicionais, como por personagens com pensamento mais liberal, clamando por uma democracia participativa, bem como por mais emprego, por aumento de renda e melhoras nas condições de vida. Continuar a lerO exército volta ao poder no Egito

ONU lança Retrospectiva 2012

Em 2012, as Nações Unidas passaram por diversas crises que testaram consistentemente a capacidade da Organização de reagir. Desde intensos fenômenos climáticos que deixaram milhares de mortos ou sem moradia até as contínuas crises no Mali, na Síria, no Sudão do Sul e na República Democrática do Congo, entre outros países e regiões, a ONU precisou negociar a paz e aumentar a capacidade de resposta a acontecimentos inesperados.

Para lembrar alguns destes momentos, o Departamento de Informação Pública (DPI) da ONU lança nesta quinta-feira (27) a versão em português do vídeo com a retrospectiva 2012.

A obra aborda a dificuldade da Organização de acabar com a crise na Síria, envolvendo ataques do governo contra o próprio povo e a resposta armada de grupos rebeldes. “Precisamos parar com a violência e o fluxo de armas dos dois lados e começar uma transição liderada pela Síria o quanto antes”, declarou o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon. O vídeo lembra que o Conselho de Segurança não entrou em um acordo sobre o tema, postergando uma resposta mais enfática para a questão.

Em 2012, ocorreu no Rio de Janeiro a maior conferência já realizada pela Organização em toda sua História — a Rio+20 — com a presença de mais de 40 mil pessoas e 191 Estados-Membros. “Não podemos continuar a queimar e consumir o nosso caminho para a prosperidade à custa de pobres do mundo e do meio ambiente global”, disse Ban na ocasião.

A Retrospectiva também aborda o recente conflito entre o Governo de Israel e os palestinos em Gaza, que obrigou Ban Ki-moon a ir pessoalmente à região para buscar o cessar-fogo. Pouco depois, em novembro, uma resolução da Assembleia Geral elevou a Palestina ao status de Estado Observador não membro, em votação que contou com a ampla maioria dos votos dos países integrantes da ONU.

EUA vão enviar mais agentes ao exterior para criar rede de espionagem

O Pentágono vai enviar centenas de espiões adicionais para o exterior, parte de um plano de montar uma rede de espionagem semelhante à CIA, segundo reportagem publicada no jornal americano “Washington Post”.

O objetivo é transformar a Agência de Inteligência de Defesa (DIA, na sigla em inglês), em um serviço de espiões focado em ameaças emergentes e mais alinhado à CIA e aos comandos militares de elite.

Quando a ampliação da DIA estiver completa, haverá até 1600 “coletores” de informações ao redor do mundo. Eles serão treinados pela CIA.

Entre as prioridades estarão grupos de militantes islâmicos na África, tráfico de armas do Irã e da Coreia do Norte, e a modernização militar na China.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1194846-eua-vao-enviar-mais-agentes-ao-exterior-para-criar-rede-de-espionagem.shtml

Enhanced by Zemanta